• Vinícius Silva Soares

Biossegurança - Aplicação de medidas preventivas de acidentes

Certamente você já assistiu algum filme ou viu algum jogo baseado em acidentes biológicos, no qual um acidente em laboratório provoca a liberação de um vírus ou bactéria e transforma o mundo em um verdadeiro caos apocalíptico.

Acidentes envolvendo falhas na biossegurança já aconteceram aos montes, como por exemplo o acidente radioativo envolvendo césio 137 em Goiânia. Dentro de um laboratório temos vários protocolos e conhecidos como boas práticas laboratoriais que visam garantir a segurança de todos que trabalham por lá.

Os níveis de biossegurança variam de acordo com as atividades praticadas no laboratório, indo do nível 1 ao nível 4, vejamos mais detalhadamente abaixo:

Nível de Biossegurança 1: Esse nível não requer nenhuma prática especial, trata-se de laboratórios no qual são manipulados agentes bem caracterizados, que não são capazes de desenvolver doenças em pessoas sadias, geralmente o trabalho é feito em bancada, e adotada as práticas básicas de laboratório. Contudo deve ser feito o uso dos materiais de proteção individual (EPI), são eles: jalecos, luvas, óculos de proteção.

Nível de Biossegurança 2: Norma seguida para laboratórios que trabalham com organismos que têm a capacidade moderada de causar alguma doença ou risco ao meio ambiente. As pessoas do laboratório devem ter o treinamento específico para o manuseio desses agentes e devem ser supervisionado por especialistas, acesso mais restrito ao laboratório durante os procedimentos operacionais, procedimentos que sejam capazes de dispersar partículas no ar devem ser feitos dentro de cabines de segurança biológica, quanto aos EPI’s é acrescentado máscaras de proteção facial.

Nível de Biossegurança 3: Nível para laboratórios que trabalham com organismos da classe de risco 3 ou com um grande volume de organismos classe 2, para esse nível além dos cuidados supracitados, é necessário que os laboratórios sejam especialmente desenhados para a finalidade de trabalhar com estes organismos, um controle rigoroso de pessoal

Nível de Biossegurança 4: Laboratório de contenção máxima é recomendado ainda que funcione apenas sobre rigoroso controle das autoridades de vigilância sanitária, todos que frequentam o laboratório devem ter um treinamento específico, prédio com projeto, engenharia e protocolos bem específicos. O laboratório é destinado para operações com agentes exóticos e perigosos, que exponham os indivíduos a um alto risco e possam ser fatais, deve ser construído em um local separado, isolado das demais áreas do edifício. As atividades são realizadas em cabines de segurança classe 3, as roupas usadas devem ser macacões com pressão positiva ventilados por equipamentos de suporte de vida.

Veja abaixo alguns equipamentos dos citados:



O que fazer caso algum acidente aconteça: Em uma área laboratorial o indivíduo está exposto a diversos riscos, como, intoxicação por produtos químicos ou agentes biológicos, queimaduras químicas ou por produtos inflamáveis, cortes com material perfuro cortante, entre outros riscos. O socorro pode variar muito de caso para caso e de acordo com o tipo de atividade realizada, então é importante que o laboratório disponha de um procedimento de socorro para a sua área de atuação e que ele seja conhecido por todos que frequentam aquele ambiente. Caso algum acidente venha a acontecer é importe que se realize os primeiros socorros e acione as autoridades de emergência o mais rápido possível, SAMU ou Corpo de Bombeiros.

Além das normas de biossegurança, contamos ainda com as boas práticas laboratoriais, como antes mencionado, são coisas básicas que podemos fazer para garantir uma melhor segurança, “segue o fio”.

  • Lavar as mãos após retirar as luvas e antes de deixar o laboratório.

  • Proibido o consumo ou armazenagem de alimentos no laboratório.

  • Não tocar a face ou manusear equipamento com a boca.

  • Cuidados ao manusear instrumentos perfurantes ou cortantes, especialmente em proximidade com as culturas.

  • Descontaminar as superfícies de trabalho ao menos uma vez ao dia e após o derramamento de material viável.

  • Esterilização dos equipamentos após a manipulação das culturas.

Como podemos ver as normas de biossegurança e as boas práticas laboratoriais, são coisas básicas e simples de serem seguidas. Então na próxima vez que entrar em um laboratório lembre-se de seguir todas as normas e evitar se expor a riscos desnecessários.

A Biossegurança não se restringe apenas a laboratório e afins, se estendo para consultórios, hospitais, fábricas de produtos alimentícios, como panificadoras.

Mas como a Genesys Biotecnologia pode te ajudar? Um dos serviços da nossa carta é a consultoria em biossegurança, consultorias especializadas e personalizadas com a finalidade de aumentar a segurança dos funcionários e clientes de diferente nichos de negócio realizando treinamentos e elaborando POP’s, para padronizar procedimentos operacionais garantindo o máximo de segurança possível para todos aqueles envolvidos no processo.

As práticas de biossegurança devem ser aplicadas em nosso dia-a-dia também, ao descartar materiais que contenham amostras biológicas como curativos, ou preservativos, por exemplo, devemos realizá-lo de maneira correta.


Homer descartando incorretamente dejetos de porco - Os Simpsosns - O filme